top of page
  • Foto do escritorThemis

História de Fundo da Personagem e Memória: Definições e Quando Usar Cada Um

Atualizado: 11 de jul. de 2023

História de Fundo da Personagem e Memória: Definições e Quando Usar Cada Um

 

Obs.: Escritor por J. D. Edwin em: thewritepractice e Traduzido por Themis, membro ilustre da Novel Brasil.


As escolhas feitas pelas personagens fictícias na sua história são moldadas pelo passado delas, o que quer dizer que, às vezes, você precisará passar ao seu leitor eventos que aconteceram antes da sua história começar. Não sabe como? Tente apresentar memórias (memory) ou uma história de fundo para compartilhar o passado no presente.

Você é um indivíduo profundo, complexo e interessante, então pode-se dizer que gostaria que as suas personagens também o fossem. Mas o que faz alguém complexo e interessante?

A resposta está no passado — o que alguém passou faz o que essa pessoa é hoje. É esse senso de história, história pessoal, que nos intriga. Mas nem todo caso precisa de uma história de fundo detalhada. Você pode se apoiar em eventos formativos e momentos chave do passado da personagem para aprofundar a sua criação.

Independentemente do tipo de história que estamos escrevendo, damos dimensão para as nossas personagens ao mostrar ao leitor o passado daquelas por meio de dois dispositivos de narrativa (plot devices) — memória e história de fundo. Algumas vezes, a diferença entre os dois pode não ser clara, mas saber como usá-los pode fazer uma grande diferença na sua formação de personagens.

Neste artigo, destrincharemos as definições de história de fundo e memória, e veremos como e quando usar cada um.

Definição de História de Fundo em um Romance (Novel) Aqui está uma definição de história de fundo: é informação objetiva sobre o passado de uma personagem. Não é filtrada pelos olhos desse, mas pode ser transmitida por um narrador em terceira pessoa. Pode tanto ter experiências que a personagem lembra, quanto ter informações que ele não sabe.

Como Usar História de Fundo

 

Se uma memória é uma conversa, uma história de fundo é um vídeo. Ao invés de ser algo dito pela sua personagem, você o assiste viver o momento em questão, talvez como uma velha fita em preto-e-branco.

Uma história de fundo é diferente de uma memória das seguintes formas:

1. Uma História de Fundo é objetiva e precisa

 

O leitor testemunha a história de fundo em questão de um ponto de vista objetivo, mais como um documentário do que como uma entrevista. Ela é a realidade que se passou no passado da personagem.

No exemplo acima, uma criança teria uma imagem calorosa da sua mãe amorosa, mas, como uma história de fundo, o autor também explica que essa imagem daquela mulher não era vista por todos, que a consideravam desagradável.

Quer ter certeza que o seu leitor sabe a verdade sobre o passado da sua personagem, independentemente do que esse pode ou não se lembrar? Deixe-o encontrar essa informação interna com uma história de fundo.

2. As Histórias de Fundo não ativam emoções na personagem

 

Uma história de fundo é uma explicação ao leitor, então qualquer que seja a resposta emocional, essa virá do próprio leitor, não da personagem.

3. Histórias de Fundo podem conter informações que a personagem não sabe

 

A personagem pode até não saber tudo sobre a sua história de fundo, mas o leitor pode. Aquele talvez não saiba que foi adotado, ou que o seu melhor amigo sempre foi o seu inimigo, ou que o seu amante é um agente decreto duplo, ou que tem mágica no seu sangue… a lista pode seguir.

O ponto é, a história de fundo pode ser secreta para a própria personagem, mas ainda ter a sua profundidade revelada para o leitor.

Definição de Memória em um Romance (Novel) Uma memória é algo que a sua personagem passou ou aprendeu diretamente, e pode lembrar mais tarde (por exemplo, um evento que se passou na infância, ou algum conhecimento). As memórias são filtradas pela personagem que viveu o evento e moldadas pelas suas emoções e percepções.

Como Usar Memória

 

Pense na memória como algo que a sua personagem te diria em uma conversa. É algo pessoal e, como resultado, tem as seguintes características:

1. Memórias são subjetivas, ou mesmo imprecisas

 

Uma memória é como uma personagem lembra de algo; ou seja, só porque ele lembra assim, não quer dizer que todos o façam. Uma criança guardará com carinho as memórias da sua bela e amável mãe, mesmo que o resto do mundo se lembre dela como uma pessoa rude e pouco atrativa.

As memórias da infância costumam ser fortes, mas limitadas pela sua percepção inocente (ou não, depende da personagem) do seu cotidiano.

Dessa forma, a memória de uma personagem pode ser usada para enganar o leitor, ou para focar em algo que outras personagens não sabem ou não perceberam. Isso pode refletir tanto na sua atitude em relação ao mundo, quanto na sua forma de processar memórias mais fortes.

2. Memória é emocional

 

Memórias desencadeiam emoções diretamente. Geralmente, uma personagem que relembra um fato anterior apresenta forte emoção depois. Um rapaz pensando no seu recente casamento pode estar preenchido de felicidade, enquanto um velho pode estar cheio de amargura, porque a sua mulher já faleceu.

Se a sua personagem repassa algo e não ativa nenhuma emoção óbvia, então a mais provável de surgir é a surpresa — o seu choque pela incapacidade de reagir à memória.

Quer compartilhar uma parte do passado da sua personagem com o impacto emocional? Faça ele mostrar uma memória.

3. Memórias são íntimas

 

Uma memória fica perto do coração. É algo que a sua personagem mantém por perto, e possivelmente são tendenciosos para. Essas não conseguem se livrar delas com facilidade, ou serem convencidas a mudar de ideia sobre isso, em especial quando consideram essas lembranças as suas mais preciosas.

Personagens cuidarão das suas memórias como tesouros, ou, no caso de más lembranças, como vulnerabilidades e inseguranças.

Quando Usar Memória

 

Memórias são melhor utilizadas quando se quer relacionar algo emocional sobre a sua personagem, tal como uma razão para uma súbita mudança de espírito ou para introduzir alguma opinião forte e específica. Isso permite que o leitor vivencie essas emoções com a personagem, e que entenda o porquê delas se sentirem daquela forma.

Em geral, memórias surtem melhor efeito quando contadas em primeira pessoa ou por uma terceira pessoa limitada (third person limited).

O Passado no Presente: História de Fundo da Personagem e Memória

 

As vidas que vivemos agora são moldadas pelos eventos que antecederam, então você provavelmente perceberá que os seus leitores precisam saber informações sobre o que aconteceu antes da sua história começar. Memórias e histórias de fundo são dois meios efetivos para compartilhar tais informações.

Não sinta como se precisasse de uma história de fundo completa para usar um pouco disso e de memórias efetivamente. Seja específico sobre eventos-chave e você descobrirá que escreveu uma história de fundo atraente e memórias que ressoam com o leitor.

Você prefere usar memórias ou histórias de fundo quando desenvolvendo as suas personagens? Ou que personagens da ficção têm as histórias de fundo mais comoventes? Compartilhe nos comentários.

179 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Commenti


bottom of page